Editorial: Nossos Candidatos

editorial_novo

Panorama inicia a semana conhecendo oficialmente as decisões dos partidos que, através de suas coligações apontaram os nomes que se colocaram como pré-candidatos ao executivo e ao legislativo. Embora fôssemos cobrados por leitores quanto as publicações oficiais de apenas alguns partidos, o importante é que, as decisões tomadas, dão plenos poderes para que os nomes corram a fim de agilizar seus registros junto a justiça eleitoral. Caso não haja qualquer restrições por cada nome, o processo correrá com rapidez, dando poderes para que o candidato inicie a sua campanha eleitoral.
Assim, tem início a grande corrida que felizmente tanto para candidato quanto para eleitores, terá um tempo menor que os anteriores. Diante desse quadro e, frente a situação da nossa economia, seria importante que os candidatos, independentemente de suas coligações ou seus grupos, se unissem para observar o que sempre estamos dando enfoque.
Primeiramente, esperamos que todos façam uma campanha honesta, objetivando apenas o seu plano de trabalho para convencer o eleitor. Não usar de promessas impossíveis e acima de tudo de empregos. Quanto a dinheiro, seria conveniente que cada candidato usasse o bom senso e o respeito para com a democracia. Que todos se comprometam a evitar gestos indignos com a famosa compra de voto, não apenas com dinheiro, mas também com doações de materiais.
Justamente nesse ponto alguns eleitores já viciados a essa sistemática, acabam querendo por em prática esse procedimento. Conversamos com um eleitor que disse ter feito isso em eleições passadas. Procurou um candidato a vereador, pediu cinco sacos de cimento, e que em troca, teria seis votos dentro de sua família. Em seguida, procurou um outro candidato, pedindo tijolos, com a mesma promessa de troca de votos. Conseguiu telhas de um terceiro candidato e pasmem, com as mesmas promessas de troca de voto. Continuou ainda sua peregrinação com outros candidatos. Assegurou no final que, para não ficar com a consciência pesada, votou num outro candidato que nada lhe foi pedido.
Isso é lamentável, mas se todos os candidatos prometessem atuar com respeito a democracia, isso teria fim, as campanhas não ficariam caras e haveria assim, uma transparência em todo o processo.
Essa prática também serve para os dois candidatos a prefeito. É simples, não custa nada, apenas evita-se ferir a consciência de cada candidato. E olhem para o grande perigo: caso hajam denúncias e comprovadas todas as informações, tanto o candidato quanto o eleitor beneficiado com essa maracutaia serão incriminados e responderão perante a justiça por seu ato.
Assim, fazer uma campanha limpa e com diminuição de custo, é tão simples que basta tão somente haver um compromisso cívico dos candidatos de ambas as coligações. Quanto as publicações dos editais, conforme sugerem muitos partidos que sejam feitas em jornais locais, nada nos afetou, pois isso não é de responsabilidade dos candidatos, mas sim dos partidos, que infelizmente devem orientar a seus postulantes que evitem sempre a promessa em campanha de que tudo será feito para prestigiar Panorama, seus comércios e seus serviços.(sic) Alguns sim, publicaram por respeito a Panorama
Depois de tudo oficializado, vamos torcer para que as campanhas sejam dignas e todas feitas com respeito tanto aos adversários quanto para o próprio eleitor de Panorama. A classe política a nível geral está desacreditada, pelo tudo que se vê pela imprensa. Mas vamos fazer com que Panorama inicie esse trabalho, plantando a semente da dignidade e respeito nas campanhas eleitorais.


You can Deixar uma resposta, ou deixar um trackback de seu próprio site.